terça-feira, 28 de junho de 2011

Ajuda

Talvez eu devesse lutar até o fim. Lutar pelo que eu quero, lutar pelo que eu desejo ser. Mas estou fraca, estou confusa, estou sem amigos. Vejo minha vida parada, estagnada. Me vejo com um muro gigantesco na minha frente, não consigo pular. Não consigo romper com os limites da minha alma, com os limites do meu corpo, da minha mente. Não consigo romper com a superficialidade do que digo. Entre o que digo e o que quero que você saiba que eu sinto, existe um grande abismo. Não sei me expressar. Simplesmente não consigo. Não sei nem identificar quando estou com fome mais, como pra não morrer. Estou vazia. Sou uma superficie. Sinto dores no corpo, tenho plano de saúde mas não marco os médicos. Fiz um exame e nem fui pegar o resultado. Tenho a faca e o queijo nas mãos, sinto fome, mas não tenho força pra cortar e comer. Sou como uma criança muda, que sente dor, sente fome, sente frio, carência, sono, mas não sabe como pedir ajuda. Parada, mórbida, preciso de ajuda, clamo por ajuda, mais niguém consegue decifrar. Meu silêncio fala o que minhas palavras não sabem dizer. E ninguém me ajuda. Estou a mais de seis meses no psicólogo e digo que em nenhuma das consultas consegui ser realmente sincera, ainda não atingi o ponto. E quando chego e digo que não tenho nada a dizer, ela me diz "mas você veio, porquê?"; eu fui sem ter nada a dizer pq eu tenho MUITO a dizer, mas não sei nem começar, e fui mesmo assim esperando que ela pudesse me ajudar, mas pscicólogo só trabalha com o que o paciente diz; talvez nem mesmo um profissional consiga ouvir o silêncio. ou talvez consiga, mas pra eu me tratar preciso gritar que preciso de ajuda. Não sei o que fazer. Uma vida atada. Me sinto hoje a pessoa mas burra do mundo. Não sei o que fazer. Então eu choro, mas minha dor não acaba. Então eu choro mais e continuo não sabendo o que fazer. Mas sei o que vai acontecer hoje. Vou enxugar as lágrimas, ir pra aula de bateria com olho inxado, tentar estudar inglês depois, e talvez ver meia duzia de pseudo amigos; nenhum deles vai compreender especificadamente essa vermelhidão nos meus olhos.
Histórias reais não tem finais felizes.

Na verdade, tem sim. Apenas hoje não é o final.

4 comentários:

sahstuff disse...

Eu acho que sei o que falta pra você......
Uma coisa que vai te fazer acordar todos os dias sabendo o que fazer, pra onde ir e o que está fazendo viva nesse mundo. Na maioria das vezes, preenche a lacuna.
Eu acho que você sacou...............

Bruno Barcelos disse...

Eu diria viva um momento de cada vez. Saiba o que te faz feliz, o que você gosta de fazer. Não dependa psicologicamente de pseudoamigos. Abrace a solidão -> se ame mais.
Com mais amor próprio, fica mais fácil encontrar bons amigos, verdadeiros amigos.

E no que precisar de mim, estou aí. Sério.

Guardião dos Segredos D'alma disse...

Luíza, sei que a tempos não nos vemos nem conversamos, mas saiba que eu estou a sua disposição, como sempre, pronto a ir te ajudar, no que vc precisar, como foi ontem, como é hje e como será, amnhã, com certeza; vc tem meus mails, meu blog e é facil conseguir o meu cel, pq eu nunca mudo o número dele, então, eu, que sempre me considereiseu amigo, acima de qualquer coisa, quer ote ajudar, basta você permitir, É só me ligar, que largo o que estiver fazendo pra ir a seu encontro, meu bem,a qqr momento. Aguardo sua resposta, ok?

P.S: Você não está sozinha, nunca, sempre estaremos com você, nem que seja em pensamento, te amando e te protegendo, não se esqueça disso, ok?

Luísa disse...

Meu nome é com S, Lupino.